Only on PlayStation: "Killzone 3" chega quebrando tudo no PS3

Por: Troqui
Killzone 3 | 24/02/2011 22:58:22 3 / 3

Os brasileiros serão agraciados mais uma vez com o lançamento de um dos maiores games da atualidade quase que simultaneamente com o resto do mundo. Assim como aconteceu com "God of War III" e "StarCraft II: Wings of Liberty", "Killzone 3" chega no Brasil arrebentando tudo madrugada afora. E é claro que o gameLib vai estar lá para cobrir.

Enquanto a tão aguardada 12ª badalada do relógio não chega, fique com um recaptula especial da série e um preview da terceira edição do game, claro, feito com todo o carinho de fã!

O começo da série

"Killzone 1" se passa em uma era em que o Império Helghast havia se recuperado de sua primeira derrota na Primeira Guerra Helghan e, para se vingar, lançou um contra-ataque à Aliança Interplanetária e Estratégica (I.S.A.) na colônia do planeta Vekta. Você assume o controle de quatro personagens: Jan Templar, o Capitão e chefe do esquadrão, Shadow Marshal Luger, uma perita em operações secretas, o Sargento Rico Velásquez e o Coronel Hakha.

Um dos destaques do game é o seu modo on-line com suporte de até 16 jogadores simultâneos em 8 mapas diferentes. Mas nem mesmo isso apagou a mediocridade da campanha singleplayer, que foi fortemente criticada pela imprensa especializada. A jogabilidade tem diversos problemas, assim como os gráficos e texturas, que também possuem seus bugs.

Claro, "Killzone" não é absolutamente uma catástrofe, mas, definitivamente, não é o tal "Halo Killer" que a Sony tanto queria.

Mudança de planos

Entre os dois jogos dos consoles está "Killzone: Liberation", exclusivo do PSP.

Lançado em outubro de 2006, o jogo se passa dois meses após os eventos do primeiro "Killzone". Você controla o Capitão Templar, integrante do exército humano, recrutado para a ofensiva contra os Helghast.

Apesar de ser um "Killzone", "Liberation" é bastante diferente dos outros jogos da série. A ação é em terceira pessoa e mantém um ritmo mais lento, parecido com os tactical shooters "Metal Gear Solid" e "Splinter Cell".

"Liberation" fez mais sucesso no PSP do que 'Killzone" fez no PS2. As mudanças sofridas foram bem recebidas e o jogo aproveitou todos os recursos que o PSP pode oferecer. Um dos melhores para o portátil da Sony.

O melhor (até agora)

Quem iria adivinhar que a Sony teria outra chance nos consoles de mesa? Pois é. Na E3 de 2007, um vídeo fodástico rodando no PlayStation 3 em tempo real anunciava "Killzone 2". Todos ficaram boquiabertos com o detalhamento gráfico alcançado.

  • No fim das contas, descobriram que era apenas uma animação em computação gráfica, a própria Sony admitiu. Só não fique decepcionado, todo o mundo ficou um pouco na época, mas a Sony se redimiu quando o game foi lançado...

Ninguém imaginava que essa sequência poderia se tornar um dos melhores jogos do PS3, mas foi exatamente isso o que aconteceu.

Lançado em meados de fevereiro do ano passado, "Killzone 2" conta a história de Tomas 'Sev' Sevchenko, um veterano das Forças Especiais. Depois de invadir Vekta, a I.S.A. se prepara para atacar seus inimigos em Helghan e capturar o líder deles, Scolar Visari.

"Killzone 2" foi um marco para os FPS. Alguns elementos de gameplay, como a ausência de barra de energia e damages progressivos, foram adotados por inúmeros outros jogos do gênero, com destaque para "Modern Warfare 2" e "Bad Company 2". Claro que não foi o precursor de tudo isso, porém, é um dos jogos que melhor se utilizam desses artifícios.

O charme de "Killzone 2" está, sem dúvida nenhuma, em seus gráficos. Considerado um dos mais bonitos e bem feitos desta geração, os efeitos de iluminação e profundidade, aliados às texturas em alta definição, dão a mistura necessária para fazer do game um dos principais do PS3.

Apesar de também ter seu ponto forte no modo multiplayer, "Killzone 2", ao contrário de seu predecessor, não decepciona no modo campanha. Consistente e eficaz, a trama não é a melhor de todas, mas, mesmo assim, empolga.

Não precisa nem dizer que o jogo foi um sucesso absoluto, não é?

Sev está de volta. E desta vez mais letal do que nunca

"Killzone 3" continua exatamente de onde o segundo parou: depois de Sev ter derrotado Radec e Rico ter matado Visari, o ditator Helghast. Com o general morto, o Império Helghast se rebela e logo o planeta se torna um inferno. São tiros para todos os lados e disputas políticas pelo trono sem dono.

Nossos heróis se veem em meio a todo esse fogo cruzado sem quaisquer reforços e precisam fugir daquilo o mais rápido possível. Mas é claro que nada disso vai ser tão fácil quanto parece. Até que Sev e Rico consigam salvar a Terra da invasão Helghast, muito sangue vai jorrar.

O que você não pode perder

  • O 3D: Se "Killzone 2" já era simplesmente fantástico, imagine "Killzone 3" em 3D! O console da Sony é capaz de reproduzir aquelas lindas texturas através do 3D estereoscópico, o que, pra dizer o mínimo, dá uma sensação de imersão sem igual. Você vai sentir o vento das balas raspando o seu rosto. Demais!
  • Maiores armas fazem ainda mais estrago: O catálogo de armas do jogo está ainda melhor. Com mais poder de fogo, Sev poderá esmagar seus inimigos de formas ainda mais sensacionais do que antes. Uma prova disso pode ser encontrada na demo single player, onde o jogador vai poder atirar com a WASP, um poderoso lança mísseis.
  • Sangue... muito sangue: Assassinar os seus inimigos a curto espaço é necessário para qualquer FPS que se preze. E quando um jogo consegue unir essa necessidade ao estilo de matar bonito tudo fica ainda mais ensanguentado. É exatamente isso o que "Killzone" proporciona: uma vasta gama de finalizações de Helghasts e, o melhor, com estilo.
  • JETPACK!!! Na boa, qualquer game que me dê um Jetpack merece a minha atenção. Vai dizer que o seu maior sonho não é voar? Pois é. Uma das armas que vêm para ajudar nessa importante missão de Sev é o Jetpack. Com ele, você controla o voo com uma mão e com a outra, desce chumbo grosso nos inimigos. Não é demais?!
  • É em português: Mesmo com todo esse capricho com o game, os caras da Guerrila Games não se esqueceram de nós. "Killzone 3" vem com a opção de língua português-brasileiro, totalmente traduzido, tanto textos como diálogos. E fizeram um grande trabalho.

Bem, devem existir centenas de outros motivos que garantem a "Killzone 3" um dos favoritos ao título de game do ano de 2011, mas eu não vou ficar aqui falando deles para vocês, afinal, tenho de correr se quiser estar à meia-noite na loja da Sony.

Até os combates on-line, e que a força (da Aliança) esteja com vocês.

BETA
Comente pelo facebook
Último está em cima - alterar?
O que já falaram
0 / 0
MrGame em 25/02/2011 14:01
Que a Sony seja abençoada.
0 / 0
weslley em 25/02/2011 00:40
éééééé eu tenho uma duvida e o ulitimo da série?.
-----------------------------------------------------------------------------
Materia bem feita.
-----------------------------------------------------------------------------
Killzone 1 "foi" o melhor jogo de guerra no meu PS2.
0 / 0
sergio sampa em 24/02/2011 23:44
É Sôôôny né?
1
Faça login ou cadastre-se
Envie seu comentário
Leia também
Uncharted 3: Drake's Deception | Killzone 3 | Playstation 3 | 19/09/2012 19:26:12 1 / 0
Por: Renato12
Killzone 3 | Playstation 3 | 13/07/2011 12:08:22 0 / 0
Por: Renato12
Killzone 3 | Playstation 3 | 13/07/2011 12:04:19 1 / 0
Ficha técnica
Gênero:
FPS
Lançamento:
24/02/2011
Desenvolvedor:
Guerrilla
Distribuidor:
Sony
Plataforma(s):
PS3
Terceiro jogo da principal franquia de tiro do PS3. O game chega em fevereiro de 2011.
7.5
8.5
Estamos no Facebook